Publicador de Conteúdos e Mídias

null Campanha virtual da 23ª Região (MT) visa orientar e sensibilizar sobre os riscos do trabalho infantil na pandemia

Na semana em que é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, instituído em 12 de junho, a Rádio TRT FM 104,3 traz uma entrevista com a psicóloga e especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental, Camila Fanaia. Ela comenta os vários impactos que a criança pode ter ao começar a trabalhar na infância.

“O trabalho infantil pode gerar consequências sociais, psicológicos e escolares para suas vítimas. A criança se vê obrigada a assumir responsabilidades que não condizem com sua idade. Isso destrói etapas que são necessárias para seu desenvolvimento, já que ela nega a si mesma o lúdico e as relações com os iguais que ajudam na formação do seu ser”.

A psicóloga comenta ainda sobre a relação do trabalho infantil e a evasão escolar. “A fadiga e o cansaço prejudicam a concentração e a aprendizagem, fatores que levam ao abandono da escola. Isso sem contar o abuso e a exploração que podem trazer grandes traumas na vida adulta”.

Há ainda, de acordo com a especialista, os impactos na autoestima das vítimas do trabalho infantil. “Uma criança quando nasce precisa se sentir amada e cuidada porque senão ela morre por dentro, morre psicologicamente e sepulta sua autoestima. Daí quando se torna adulta traz sua gama de problemas, como ansiedade, depressão e fobias”.

Trabalho Infantil

O dia 12 de junho, Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, foi instituído pela OIT em 2002, ano da apresentação do primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Internacional do Trabalho. Desde então, a OIT convoca a sociedade, os trabalhadores, os empregadores e os governos do mundo todo a se mobilizarem contra o trabalho infantil.

Este ano, a campanha virtual visa orientar e sensibilizar sobre os riscos do trabalho infantil para crianças e adolescentes na pandemia da Covid-19. Muitas famílias, diante do isolamento social, perderam seus empregos e isso pode ser um fator agravante para a situação de vulnerabilidade para o trabalho infantil.

No Brasil, existem 2,4 milhões de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. Como consequência disso, temos, por exemplo, situações como a de Mato Grosso, em que foram registrados de 671 acidentes graves na faixa etária dos 5 aos 17 anos, no período de 2007 a 2019 e 12 acidentes fatais. Os dados são do Sistema de Informação de Agravos e Notificação do Ministério da Saúde.

Fonte: TRT da 23ª Região (MT)