Notícias do TST

null TST considera regular recurso da União que identifica subscritor somente pelo cargo


A Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho deu provimento a embargos da União (na condição de sucessora da extinta Rede Ferroviária Federal S. A.) e declarou legítima a representação de um advogado da União, em cuja identificação, na peça recursal, não constou o número de matrícula junto ao Sistema Integrado da Administração de Pessoal (SIAPE).

Ao examinar o recurso de revista, a Terceira Turma do TST não havia conhecido do apelo por considerar acertada a decisão proferida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP), que declarou a irregularidade de representação do agravo de petição interposto pela União. Conforme os fundamentos postos pelos desembargadores campinenses, o fato de o advogado não ter informado, na petição recursal, o número de sua inscrição profissional na Ordem dos Advogados do Brasil ou seu cadastro junto à Advocacia Geral da União impediu a identificação de sua condição de procurador da União, gerando o não conhecimento do agravo.

Ao interpor recurso de embargos à SDI-1, a União sustentou que tal exigência não fazia sentido em razão do princípio da presunção de legitimidade dos atos públicos. O recurso foi examinado pelo ministro José Roberto Freire Pimenta (foto), que lhe deu provimento e afastou a irregularidade de representação do agravo de petição. Dessa forma, os autos retornarão ao Regional, que deverá analisar o recurso em fase de execução por meio do qual a União pretende a desconstituição da penhora, por ter incidido sobre bem público.

O relator destacou, primeiramente, que a admissibilidade do recurso de embargos contra acórdão de recurso de revista em fase executória publicado na vigência da Lei nº 11.496/2007 condiciona-se à demonstração de divergência jurisprudencial entre Turmas ou entre estas e a SDI em relação à interpretação de dispositivo constitucional (Súmula 433). Assim, após considerar apta a comprovação de ocorrência de divergência por meio de uma decisão originária da Sexta Turma do TST, trazida pela União, o mérito do recurso foi analisado.

O ministro Freire Pimenta ressaltou que, na petição recursal, logo abaixo do nome do signatário, estava inscrito como cargo o de advogado da União. Dessa forma, considerou a suficiente, para legitimar a representação processual do ente público, a indicação do nome do profissional e o cargo por ele exercido. O relator reportou-se à Súmula 436, item I, que explicita que a União, estados, municípios e Distrito Federal, suas autarquias e fundações públicas estão dispensadas da juntada de instrumento de mandato e de comprovação do ato de nomeação.

(Cristina Gimenes/CF)

Processo: RR-140185-55.1997.5.15.0033

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, composta por quatorze ministros, é o órgão revisor das decisões das Turmas e unificador da jurisprudência do TST. O quorum mínimo é de oito ministros para o julgamento de agravos, agravos regimentais e recursos de embargos contra decisões divergentes das Turmas ou destas que divirjam de entendimento da Seção de Dissídios Individuais, de Orientação Jurisprudencial ou de Súmula.

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br
 
Inscrição no Canal Youtube do TST

Média (0 Votos)

Rodapé - Responsabilidade - SECOM


Conteúdo de Responsabilidade da
SECOM - Secretaria de Comunicação
Email: secom@tst.jus.br
Telefone: (61) 3043-4907