Banner rotativo 33

Executômetro - 2020

0,00
7.514
R$ 340.078.690,61
518
R$ 112.522.677,89
0
R$ 0,00
TRT's de Grande Porte – 1º Lugar: TRT 2ª Região (SP) , 2º Lugar: TRT 15ª Região (Campinas/SP) , 3º Lugar: TRT 1ª Região (RJ) --------- TRT's de Médio Porte – 1º Lugar: TRT 5ª Região (BA) , 2º Lugar: TRT 9ª Região (PR) , 3º Lugar: TRT 10ª Região (DF/TO) --------- TRT's de Pequeno Porte – 1º Lugar: TRT 24ª Região (MS) , 2º Lugar: TRT 21ª Região (RN) , 3º Lugar: TRT 17ª Região (ES)      

Espaço

 

Vídeo

Banner fixo lateral

Publicador de Conteúdos e Mídias

null Divisão de Execução de Campinas libera R$ 3,79 milhões para 69 ex-trabalhadores de construtora

29/04/2021 - A Divisão de Execução de Campinas (SP) procedeu a liberação de R$ 3.792.420,06 para 69 ex-trabalhadores da empresa Lix da Cunha Empreendimentos. A transferência de valores foi efetuada nos autos da execução reunida contra a empresa, para os exequentes que aceitaram a proposta de pagamento feita pela executada.

Os pagamentos foram realizados a partir de valores resultantes de penhora nos autos, levada a efeito pela Divisão de Execução. Outros exequentes que concordaram com a proposta feita pela empresa ainda terão seus valores liberados, tão logo sejam corrigidos alguns dados de identificação e representação.

De acordo com o coordenador da Divisão de Execução de Campinas e juiz titular da 2ª Vara do Trabalho do município, Flávio Landi, “os pagamentos são o resultado de um grande trabalho levado à frente pelas varas do trabalho envolvidas e pela Divisão de Execução e demonstram a efetividade da Justiça do Trabalho, sobretudo num momento de graves dificuldades econômicas como o atual”.

Esses núcleos de inteligência, 14 ao todo, são órgãos de apoio à efetividade da execução trabalhista, com sede em fóruns trabalhistas da 15ª Região (Campinas/SP) e competência , entre outras, para atuar em execuções coletivizadas, que tramitam nas unidades abrangidas em suas respectivas bases territoriais. Sua atuação é regulamentada pelos Provimentos Regionais GP-CR Nº 004/2018 e GP-CR Nº 004/2020.

Fonte: TRT da 15ª Região (Campinas/SP)