Voltar

Evento em São José dos Pinhais (PR) fecha o primeiro Ciclo de Palestras Trabalho Sustentável

(16/12/2019)

A quinta edição do "Ciclo de Palestras Trabalho Sustentável - Uma nova forma de produzir" foi realizada nesta terça-feira (10) no Teatro do Sesi, em São José dos Pinhais. O evento marcou o fechamento do ano de 2019 das ações do Programa Trabalho Sustentável e discutiu tendências sobre o futuro do trabalho, abordando aspectos das transformações causadas pela chamada "Revolução Industrial 4.0".

Na audiência, representantes de setores que cuidam da gestão de pessoas e da área de segurança do trabalho enriqueceram o debate com seus questionamentos e depoimentos trazidos da experiência cotidiana.

Workshop

No workshop participaram como conferencistas a gerente executiva de Segurança e Saúde do Sistema Fiep, Rosangela Isolde Fricke, e o gestor do Programa Trabalho Sustentável no Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR), juiz do trabalho Marcus Aurelio Lopes.

A representante do setor industrial paranaense é engenheira ambiental de formação e abriu o evento com o tema "Saúde e Segurança na Indústria 4.0”. Ela trouxe uma linha evolutiva da indústria com as principais transformações, passando dos combustíveis fósseis à eletricidade; da mecanização à atual fase, chamada de "Indústria 4.0", que tem como características as respostas autônomas geradas a partir de algoritmos feitos com base em grande quantidade de dados (a chamada "big data"). Para coordenar as ações, máquinas e processos são interligados em rede, por meio da internet das coisas.

 "A partir dessa grande quantidade de informações é possível saber o que está acontecendo e onde, e desta capacidade de predição é possível ensinar a um robô o que ele tem que fazer para solucionar um problema. Assusta um pouco, porque podemos pensar que tiramos o trabalho de um monte de gente, mas também podemos dizer que demos oportunidade para outros analistas com outras capacidades, afinal os robôs não tem poder de decisão", disse.

Trabalho decente

 O gestor do Programa Trabalho Sustentável, juiz do TRT Marcus Aurélio Lopes, abordou as questões que vão além da simples segurança no trabalho, utilizando o conceito de trabalho decente, que é mais abrangente. "A primeira perspectiva que temos que ter sobre nosso trabalho é que tem que ser decente, o que pressupõe que seja digno, que haja igualdade dentro do trabalho, com salário justo e com segurança e saúde", elencou.

 O magistrado também demonstrou como as transformações nas relações laborais dos dias atuais são reveladoras de anseios de natureza subjetiva por parte dos trabalhadores. Questões sobre o controle de horários e de jornada dão lugar à confiança do empregador no trabalhador, que é pago pelos resultados. Para ele, teletrabalho ou as atividades desenvolvidas em plataformas de aplicativos demandam novas regulamentações, que ainda não são contempladas pela legislação brasileira atual.

Parceria

 O "Ciclo de Palestras Trabalho Sustentável - Uma nova forma de produzir" é fruto da parceria que a Justiça do Trabalho desenvolve junto à Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), por meio do Programa Trabalho Sustentável. O objetivo dos encontros é promover a inclusão social e o conhecimento. Para isto, são abordadas boas práticas e novas formas de produção que contribuam para a indústria e um ambiente de trabalho humanamente melhor. Os eventos anteriores foram realizados nas cidades de Cianorte, União da Vitória, Toledo e Arapongas.

 O Programa Trabalho Sustentável é desenvolvido pelo TRT em todo o Paraná e tem como gestores os magistrados trabalhistas Valéria Rodrigues Franco da Rocha e Marcus Aurélio Lopes. Trata-se de um dos ramos do Programa Trabalho Seguro, de abrangência nacional, que é desenvolvido pela Justiça do Trabalho por meio do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT).

Confira mais fotos do evento no Flickr do TRT.

Fonte: TRT da 9ª Região (PR)