Voltar

Araguaia Cidadão: Justiça do Trabalho da 23ª Região (MT) participa de expedição com palestras sobre acidente de trabalho

(09/09/2019)

Os municípios de Alto Araguaia, Araguainha e Ponte Branca (MT) receberam, no mês passado, palestras sobre acidentes de trabalho. As exposições foram levadas a trabalhadores da região durante a expedição Araguaia Cidadão, realizada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) com o objetivo de levar serviços básicos e informações a comunidades distantes.

As palestras sobre prevenção a acidentes de trabalho foram ministradas pela juíza do trabalho de Alto Araguaia, Karina Rigato. Nas ocasiões, também foram entregues cartilhas sobre o tema aos trabalhadores. “É importante a Justiça do Trabalho se fazer presente nas demais cidades da jurisdição. Sempre que levamos essas informações sobre direitos e deveres, damos concretude às nossas ações de cidadania”, pontuou a magistrada.

Araguaia Cidadão

A expedição Araguaia Cidadão aconteceu entre 12 e 21 de agosto e percorreu 1.500 quilômetros. O projeto passou pelas cidades de Alto Araguaia, Araguainha, Ponte Branca, Ribeirãozinho, Torixoréu e Pontal do Araguaia (MT), que juntos somam aproximadamente 45 mil habitantes.

Foram levados ainda serviços como registro tardio, resolução de conflitos sociais, casamento comunitário, consultas médicas, oftalmológicas e odontológicas, vacinas e a confecção de documentação, entre outros.

O projeto contou com a participação do Tribunal de Justiça, Justiça do Trabalho, Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Poder Executivo Estadual, Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal, Defesa Civil, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Assembleia Legislativa, além de prefeituras e câmaras municipais.

Bombeiro do futuro

A Justiça do Trabalho em Alto Araguaia também teve participação ativa no custeio de parte dos uniformes para as 50 crianças do Projeto Bombeiro do Futuro, lançado em agosto, na Câmara Municipal da cidade.

Segundo a juíza Karina Rigato, que esteve presente na solenidade, o objetivo do projeto é viabilizar a complementação da formação escolar e familiar a menores em situação de vulnerabilidade social. “Esse projeto é importante porque combate, ao mesmo tempo, o trabalho infantil e a evasão escolar”, explicou.

Os alunos participarão de atividades de educação ambiental, prevenção ao uso de drogas, noções de salvamento e de primeiros socorros, natação, ética, cidadania, boas maneiras, moral e civismo, higiene pessoal e atividades físicas, lúdicas e culturais. As crianças e adolescentes inscritas têm idade entre nove e 13 anos e devem estar frequentando a escola com assiduidade e boas notas para continuarem no projeto, que tem duração de um ano.

Fonte: TRT da 23ª Região (MT)