Publicador de Conteúdos e Mídias

null Juiz do Trabalho da 21ª Região (RN) alerta sobre males do trabalho infantil e seu possível aumento em razão da pandemia

De acordo com dados de 2016, apresentados pelo magistrado, o Rio Grande do Norte tem mais de 40 mil trabalhadores infantis.

No mês dedicado ao combate ao trabalho infantil, o juiz Zéu Palmeira, à frente do Juízo Auxiliar da Infância e Juventude, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (RN), alerta para os males provocados pela prática e para um possível aumento da sua incidência em razão da pandemia. De acordo com dados de 2016, apresentados pelo magistrado, o Rio Grande do Norte tem mais de 40 mil trabalhadores infantis. Esse número já pode ser maior hoje pois “houve uma crise econômica, uma precarização do trabalho e uma perda de renda das famílias, o que se agrava ainda mais com a pandemia”.

Para Zéu Palmeira, o trabalho realizado por crianças e adolescentes mata, deforma, tira e cerceia a infância: “A inclusão precoce no mercado de trabalho é uma inclusão excludente, porque inclui no presente, mas exclui a possibilidade de futuro”. Isso porque, segundo o magistrado, não é possível para a criança ou para o adolescente “estudar, se qualificar e competir futuramente no mercado de trabalho de forma digna”.

Zéu Palmeira concedeu entrevista sobre o tema ao programa “Justiça e Trabalho”, produzido pelo TRT, oportunidade na qual também falou sobre a realidade do trabalho infantil no Rio Grande do Norte, que envolve atividades no campo, domésticas, de rua e até sexuais.

O “Justiça e Trabalho” vai ao ar na TV Assembleia às sextas-feiras, às 19h30, com reprise aos sábados, às 14h; na TV Câmara Natal aos sábados, às 10h30, com reprise aos domingos, também às 10h30; na TV Futuro/TV Potiguar às sextas-feiras, às 13h45; na Sidy’s TV (Seridó) aos sábados, às 10h20; e na TCM Telecom (Mossoró) às segundas-feiras, às 20h15.

O conteúdo do programa, a exemplo da entrevista concedida pelo juiz Zéu Palmeira, também fica disponível no Canal 21, espaço do TRT no YouTube.

Fonte: TRT da 21ª Região (RN)