Voltar

Exposição de desenhos sobre malefícios do trabalho infantil vai percorrer 12 municípios de Santa Catarina

(07/08/2019)

Foi inaugurada no Fórum Trabalhista de São José (SC), na segunda (5), a primeira Mostra Catarinense de Desenhos Infantis. Com o tema “Criança não trabalha: lugar de criança é na escola”, a exposição itinerante reúne 36 imagens premiadas no concurso realizado no ano passado envolvendo milhares de crianças do 3º e 4º anos de escolas públicas.

Até o final deste ano, o roteiro prevê que os desenhos percorram todos os 12 municípios de Santa Catarina nos quais houve concurso – além de São José, Araquari, Joinville, Brusque, Videira, Lages, Blumenau, Criciúma, Xanxerê, Chapecó, Rio do Sul e São Miguel do Oeste.

Combate ao trabalho infantil

A Mostra é uma iniciativa do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), em parceria com a Comissão de Defesa dos Direitos da Criança da Assembleia Legislativa do Estado (Alesc), responsável pela montagem do evento. Em junho, a exposição já havia sido realizada na Alesc.

Para a gestora regional do Programa, desembargadora Teresa Regina Cotosky, a itinerância confere à exposição um patamar diferenciado. “Ela permite que, em diversos municípios do estado, ocorra uma sensibilização sobre a importância do combate ao trabalho infantil, traduzida de maneira lúdica nos lindos desenhos produzidos pelos alunos da rede pública”, ressaltou.

Além de magistrados e servidores, prestigiaram a inauguração uma representante da Secretaria de Educação de São José, alunos da Escola Básica Municipal Albertina Krummel Maciel, um diretor e dois professores. Conduzidos pela juíza diretora do Foro, Miriam Maria D'Agostini, as crianças e adolescentes conheceram a estrutura do prédio, incluindo uma sala de audiências.

Na ocasião, a juíza falou um pouco sobre sua história. De origem humilde, destacou a importância dos estudos em sua vida, marcada pela aprovação no concurso de servidora antes de ingressar na carreira da magistratura, e apontou a educação como um caminho possível para todos.

Fonte: TRT da 12ª Região (SC)