Publicador de Conteúdos e Mídias

null TRT da 22ª Região (PI) lança cartilha de combate ao Trabalho Infantil

A ideia é levar informação de forma didática e acessível para toda a sociedade.

14/06/2021 - O Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região (PI) lançou, neste sábado (12), uma cartilha informativa em alusão ao Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil. A ideia é levar informação de forma didática e acessível para toda a sociedade.

Em pouco mais de 10 páginas, o informativo enumera as espécies de trabalho infantil, as consequências físicas, psicológicas e sociais, além dos canais oficiais de denúncia. A cartilha é uma iniciativa do Comitê de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem do TRT 22, com apoio do Setor de Assistência Médica e Odontológica (SAMPO).

“O objetivo é levar amplo conhecimento à sociedade civil para que todos possam contribuir com a erradicação do trabalho infantil, não só inibindo a prática como denunciando pelos canais oficiais”, explicou o desembargador Francisco Meton Marques de Lima, presidente do Comitê de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem do TRT.

Aumento de casos

De acordo com o relatório divulgado recentemente pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), cerca de 160 milhões de crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil em todo o mundo.

Número que pode aumentar por conta da pandemia de Covid-19. Segundo o documento, outras 8,9 milhões de crianças e adolescentes correm o risco de ingressar em situação de trabalho infantil até o final de 2022, devido ao impacto econômico e fechamento das escolas.

“Estamos vivendo uma situação crítica em todo o mundo, onde países em desenvolvimento sofrem mais com as consequências da pandemia. Sem dúvidas nos preocupamos com o aumento no número de casos de trabalho infantil, sobretudo no Piauí. Por isso, acreditamos que a fiscalização associada à informação de qualidade é a melhor maneira de prevenir e, desta forma, preservar nossas crianças e adolescentes”, finalizou a desembargadora-presidente do TRT, Liana Ferraz de Carvalho.

Clique e confira a cartilha em PDF.

Fonte: TRT da 22ª Região (PI)