Atendimento aos Jornalistas
Pedidos de informação e entrevistas podem ser feitos diretamente à Coordenadoria de Editoria e Imprensa (CEIM) pelo telefone (61) 3043-4907 ou pelo email secom@tst.jus.br

Avisos de Pauta
Os jornalistas que quiserem se cadastrar para recebimento de releases e comunicados por email podem preencher formulário disponível aqui.

Lista de Transmissão
Também é possível solicitar inclusão de número de telefone móvel na lista de transmissão criada para envio de informações à imprensa por WhatsApp. (Cadastre seu telefone)

Fotografia
A SECOM faz registros fotográficos diários das sessões de julgamento, eventos e reuniões. As fotos relativas a eventos públicos são disponibilizadas no Flickr. Também é possível acompanhar os cliques pelo Instagram.

Redes Sociais
Todas as notícias publicadas no portal do TST também são divulgadas no Facebook e Twitter. Para acompanhar, basta curtir ou seguir os perfis.

Sessões ao Vivo
Todas as sessões de julgamento do TST são filmadas e transmitidas ao vivo pelo site do TST, podendo qualquer interessado assistir em tempo real. Os julgamentos das Sessões do Tribunal Pleno e do Orgão Especial também são transmitidos pelo canal do TST no Youtube.

Televisão
A Coordenadoria de Rádio e TV (CRTV) produz dois programas de televisão com conteúdos relacionados ao Direito do Trabalho - Revista TST e Jornada. As produções são exibidas semanalmente pela TV Justiça, mas emissoras públicas e comunitárias que tiverem interesse em veicular os programas podem firmar termo de parceria. Clique aqui.

Rádio
O TST produz boletins e reportagens de rádio, veiculadas na Rádio Justiça, e disponibilizadas no site para utilização também por emissoras públicas e comunitárias. Emissoras interessadas em receber material em áudio, podem se cadastrar aqui.



O ministro Ives Gandra Martins fixou ainda multa de R$ 2 milhões por entidade sindical em caso de descumprimento. 

23/11/19 - O ministro Ives Gandra Martins, do Tribunal Superior do Trabalho, deferiu neste sábado (23) liminar requerida pela Petróleo Brasileiro S. A. (Petrobras) para determinar que os petroleiros se abstenham de realizar a greve anunciada pela categoria para a próxima segunda-feira (25). O ministro ainda fixou multa diária de R$ 2 milhões por entidade sindical em caso de descumprimento da determinação, destinada à empresa.

Acordo

Em 4/11, a Petrobras e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) assinaram acordo coletivo de trabalho mediado pela Vice-Presidência do TST. Quatro dias depois, a FUP encaminhou à empresa uma pauta de novas reivindicações ligadas ao cumprimento de três cláusulas do acordo, relativas ao excedente de pessoal, às condições de segurança e saúde ocupacional e ao efetivo de pessoal. Em 14/11, a federação iniciou a realização de assembleias para a aprovação da greve, comunicada na quinta-feira (21) à empresa.

Ao deferir o pedido, o ministro observou que a Lei de Greve (Lei 7.783/1989) considera abusiva a greve deflagrada após a celebração de acordo coletivo de trabalho, a não ser em caso de descumprimento. No caso, no entanto, destacou a aparente ausência de motivação para a paralisação. “O ACT de 2019/2020 foi assinado há 18 dias, e as cláusulas cujo cumprimento se exige de imediato são de caráter programático, sem prazo específico para implementação”, assinalou. “Ou seja, não há prova nem tempo para o descumprimento da norma coletiva em vigor que justifique a deflagração da greve”.

Serviço essencial

Ao deferir a liminar para que a categoria se abstenha de iniciar a greve e fixar a multa por descumprimento, o ministro levou em conta ainda a essencialidade dos serviços de produção e de distribuição de combustíveis, “em face do caráter nacional do movimento anunciado e dos prejuízos inestimáveis provocados à população em caso de desabastecimento de combustível”.

(CF/GMIGM)

Inscrição no Canal Youtube do TST



 

Glossário

Dúvidas Frequentes
 


Conteúdo de Responsabilidade da SECOM  Secretaria de Comunicação Social

Email: secom@tst.jus.br

Telefone: (61) 3043-4907