Notícias do TST Notícias do TST

Voltar

Especialistas discutem os desafios da aprendizagem em seminário no RJ



A ministra Kátia Magalhães Arruda participou do evento.

O Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) sediou, nesta terça-feira (30), o seminário "Diálogos Sobre a Lei da Aprendizagem: qualificando o jovem para o futuro. O objetivo foi debater as oportunidades e os desafios enfrentados para a inclusão de jovens no mercado de trabalho e a participação das empresas na construção dessa política pública. O seminário, organizado pelo Tribunal Superior do Trabalho em parceria com o TRT da 1ª Região (RJ), a Fundação Roberto Marinho, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Rio), fez parte das comemorações do Dia Internacional do Jovem Trabalhador (24/4) e reuniu magistrados, especialistas, servidores e jovens aprendizes.

A ministra do TST Kátia Magalhães Arruda, coordenadora do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem da Justiça do Trabalho, utilizou dados da Unicef para destacar a importância da inserção de jovens no mercado de trabalho e a necessidade de as empresas cumprirem as cotas de aprendizagem. “O Brasil é um país hostil para as crianças e os adolescentes, pois cerca de 30 jovens são assassinados diariamente, a maioria negros e pobres. A cada três horas e meia, uma criança ou adolescente sofre algum tipo de acidente de trabalho”, afirmou.

A magistrada ressaltou ainda que do total de 18 milhões de jovens brasileiros considerados pobres 34% vivem com renda de meio salário mínimo e que o desemprego é duas vezes pior entre os jovens. “Atualmente, a taxa de desemprego no Brasil está em torno de 13%. Porém, 27% dos jovens brasileiros estão desempregados, e cerca de dois milhões de pessoas com idade entre 4 e 17 anos, estão fora da escola sem ter ao menos concluído o ensino fundamental”, destacou.

A ministra ressaltou que a Lei da Aprendizagem (Lei 10.097/2000) foi promulgada há 18 anos, mas o cumprimento de cotas ainda está abaixo de 50%. “A aprendizagem rompe o círculo da pobreza e encaminha o jovem para o círculo da dignidade. É a chave que abre portas e os afasta da violência e da criminalidade. Melhora a família economicamente, dá experiência ao jovem para trabalhar no futuro e transforma as relações interpessoais”, concluiu.

Debates

A primeira mesa de debates do seminário teve como tema "Impactos da Lei de Aprendizagem", com a participação de representantes da Fundação Roberto Marinho, do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Companhia Docas RJ e de um ex-aprendiz. A segunda mesa, sobre "Boas Práticas na Aprendizagem", contou com a participação de representantes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RIO), de empresas convidadas e de uma jovem aprendiz da Caixa Econômica Federal (CEF). Os debates foram mediados pela jornalista Flavia Oliveira, comentarista da Globo News e colunista do jornal O Globo.

Trabalho digno

O presidente do TRT-1, desembargador José da Fonseca Martins Junior, destacou a importância de discutir a inclusão de jovens aprendizes no mercado de trabalho. “Espero que um dia deixemos de dizer que o Brasil é o país do futuro e possamos dizer que é o país do presente. Nesse dia, nossos trabalhadores terão trabalho digno e seguro”, afirmou.

Para o desembargador José Luis Campos Xavier, gestor regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem no TRT-1, a aprendizagem é um instrumento de empoderamento dos jovens. “Temos aqui diversos exemplos de grandes empresas que cumprem a cota. Então, sabemos que é possível que essa prática seja replicada e multiplicada”, concluiu.

O evento também contou com a presença da ministra Delaíde Alves Miranda Arantes.

(Com informações do TRT da 1ª Região)

Inscrição no Canal Youtube do TST

Média (0 Votos)



Conteúdo de Responsabilidade da SECOM  Secretaria de Comunicação Social

Email: secom@tst.jus.br

Telefone: (61) 3043-4907