Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira
Voltar

Cooperativa de ex-empregados não responderá por dívidas da Tribuna de Notícias



(Qui, 12 Jul 2012 11:33:00)

Para a Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, o fato de os ex-empregados da ETN Editora Tribuna de Notícias Ltda., de Alagoas, terem se organizado para dar continuidade às atividades empresariais não configurou sucessão de empregadores. Isso porque não houve transferência do empreendimento, bens e instalações da empresa para a cooperativa formada por eles (JORGRAF – Cooperativa de Jornalistas e Gráficos). Com essa conclusão, a cooperativa não poderá ser responsabilizada pelos débitos trabalhistas da editora.

O Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região (AL) já havia negado provimento ao recurso interposto pelo sócio da ETN, cuja pretensão era ser excluído da condenação imposta pela sentença, que o reconheceu como sócio oculto ou de fato da editora e, por isso, também responsável pelos débitos trabalhistas em ação ajuizada por um vendedor de jornais.

Ao recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho, o sócio pretendia ver configurada a sucessão de empregadores pela cooperativa formada por ex-empregados da editora e, assim, passar a ela toda responsabilidade pelas dívidas trabalhistas existentes. Para tanto, alegou que a JORGRAF assumiu, de fato, os estabelecimentos, móveis e equipamentos da empresa, além de desenvolver a mesma atividade econômica.

Ao apreciar o recurso de revista, o relator do processo, ministro Brito Pereira, destacou entendimento doutrinário no sentido de que a sucessão de empregadores é um instituto do direito trabalhista "em virtude do qual se opera, no contexto da transferência de titularidade de empresa ou estabelecimento, uma completa transmissão de créditos e assunção de dívidas trabalhistas" entre a parte vendedora e a compradora. A sucessão e seus efeitos sobre os contratos de trabalho são regulados pela CLT, nos artigos 10 e 448.

Na situação concreta, contudo, o relator entendeu não ser possível o reconhecimento de sucessão, uma vez que não houve prova da transferência da titularidade da empresa, bens e instalações para a cooperativa que, inclusive, teria agido de modo ilegal na ocupação do local de funcionamento da editora. Em seu voto, o ministro afirmou que o simples prosseguimento da atividade empresarial pelos ex-empregados organizados em sistema de cooperação decorreu da necessidade desses de garantir a própria sobrevivência, conforme registrado pelo TRT.

A decisão foi unânime no sentido de negar provimento ao recurso do sócio.

(Cristina Gimenes/CF)

Processo: RR-64700-70.2007.5.19.0006

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br

Inscrição no Canal Youtube do TST