Notícias do TST

null Petrobras deve retificar data de admissão de petroleiros para incluir curso de formação


(Seg, 09 set 2013 09:45:00 +0000)

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou que a Petróleo Brasileiro S/A (Petrobras) reconheça como vínculo de emprego o período do curso de formação exigido dos petroleiros. O entendimento foi o de que, ainda que o edital do concurso estabeleça que esse período não se integra ao contrato de trabalho, não se pode desconsiderar o tempo dispendido pelos empregados, tendo em vista que o curso preparatório tem como finalidade específica a sua qualificação para o exercício das funções contratadas.

Na reclamação trabalhista ajuizada na 1ª Vara do Trabalho de Macaé (RJ), o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro/NF) afirmou que os candidatos aprovados para a função de operador nos concursos públicos realizados pela Petrobras em 2001 e 2003 tiveram suas carteiras de trabalho anotadas em data diversa daquela do início das atividades. De acordo com o sindicato, eles foram treinados nas unidades da empresa, com remuneração e trabalhando regularmente. Dessa forma, teriam direito à integração desse período para todos os fins legais.

O juiz de primeiro grau deu razão ao sindicato e entendeu que, se os candidatos já estavam à disposição da empresa, este tempo, ainda que de treinamento, deveria ser considerado como de efetivo serviço, por força do disposto no artigo 4º da CLTA Petrobras conseguiu reverter a condenação no Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ). Para o TRT, sendo a empresa integrante da administração pública indireta, era razoável e adequada a previsão de concurso e conclusão de curso para a formalização da contratação dos aprovados, a fim de privilegiar os princípios constitucionais da moralidade, publicidade e, principalmente, impessoalidade.

Ao analisar o recurso de revista no TST, o relator, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, considerou equivocada a decisão do TRT, tendo em vista que curso tinha caráter obrigatório, com as características da relação de emprego (subordinação, não eventualidade, pessoalidade e onerosidade, por meio de bolsa de complementação educacional). Assim, a não consideração desse período para fins de registro contraria o artigo 9º da CLT, que considera nulos os atos praticados com o objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos na lei trabalhista.

Na decisão da Sexta Turma, o relator destacou que a Lei nº 9624/1998 dispõe textualmente que, sendo o candidato aprovado no programa de formação, o tempo destinado ao seu cumprimento será computado, para todos os efeitos, como de efetivo exercício no cargo público em que venha a ser investido, exceto para fins de estágio probatório, estabilidade, férias e promoção (artigo 14, parágrafo 2º).

Para a Sexta Turma, a Petrobras se sujeita ao regime jurídico próprio das empresas privadas. Com a constatação de que o treinamento não tinha característica de simples formação educacional, mas finalidade específica de qualificação para o exercício da função para qual o petroleiro foi aprovado, e em benefício direto da empresa, fica evidenciado que o curso se deu em razão do contrato de trabalho. A decisão foi unânime.

(Cristina Gimenes/CF)

Processo: RR-213000-10.2004.5.01.0481

O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br

 

 

Inscrição no Canal Youtube do TST

Média (0 Votos)