Notícias do TST

null Justiça afasta alegação de parceria médica entre clínica e fonoaudióloga


(Ter, 21 Ago 2012, 09:11:00)

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu de recurso da Neuro Fortaleza S/C Ltda. contra decisão que reconheceu a existência de vínculo de emprego de uma fonoaudióloga que prestou serviços à clínica durante cinco anos. A empresa foi condenada pela Justiça do Trabalho da 7ª Região (CE) a registrar o contrato na carteira de trabalho e pagar diversas verbas trabalhistas que não foram cumpridas ao longo do período.

A fonoaudióloga afirmou ter sido admitida pela clínica em maio de 2004 e demitida em 2009. A anotação na carteira de trabalho, porém, só ocorreu em maio de 2009, após uma fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho. Segundo ela, o registro foi de "um imaginário contrato de experiência", com salário equivalente ao piso da categoria para jornada de 20 horas semanais. Meses depois, foi demitida sem receber verbas rescisórias. Na reclamação trabalhista, pediu o reconhecimento de vínculo de emprego por todo o período trabalhado e as demais verbas trabalhistas daí decorrentes.

A empresa, em sua defesa, alegou que a relação não era de emprego, e sim uma parceria, que permitia à fonoaudióloga utilizar suas dependências mediante aluguel equivalente a 50% dos valores recebidos em suas atividades. Testemunhas, porém, afirmaram que a relação tinha os requisitos da pessoalidade (a especialista não podia indicar outra pessoa para substituí-la), subordinação (recebia ordens da dona da clínica, usava uniforme e participava de reuniões) e não eventualidade (comparecia diariamente à empresa).

A sentença da 2ª Vara do Trabalho de Fortaleza, mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região, reconheceu o vínculo e deferiu diversos pedidos. A clínica recorreu então ao TST, insistindo na tese de que a fonoaudióloga atendia pacientes indicados por outros médicos e que, quando faltava, podia ser substituída, o que eliminava a subordinação e vínculo.

O relator, ministro Walmir Oliveira da Costa, afirmou que o recurso não poderia ser conhecido. "O TRT, valorando fatos e provas, afastou a alegação da empresa quanto ao contrato de parceria médica, reconhecendo a presença dos elementos caracterizadores do vínculo", observou. "Nesse contexto, inviável o reexame da prova valorada nas instâncias ordinárias com a finalidade de verificar se houve contrato de parceria ou de emprego, como pretende a empresa", concluiu, aplicando ao caso a Súmula nº 126 do TST.

(Carmem Feijó/RA)

Processo: RR 148300-63.2009.5.07.0002

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br

Inscrição no Canal Youtube do TST

Média (0 Votos)