Notícias do TST Notícias do TST

Voltar

Seminário no TST revela engajamento do Poder Judiciário no combate ao trabalho infantil



"O envolvimento dos juízes do trabalho com fortes causas de cunho social nem sempre afeta à nossa jurisdição, como trabalho infantil e trabalho escravo, tem longa data e uma rica trajetória". A afirmação é da juíza Andréa Saint Pastous Nocchi, da 26ª Vara de Porto Alegre (RN), no painel Sistema de Justiça – Boas Práticas, parte da programação do Seminário Realidade e Perspectiva, promovido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT). O painel contou ainda com a palestra da juíza da Vara da Infância e da Juventude de Aparecida de Goiânia (GO), Stefane Fiúza Cançado Machado.

Gestora nacional e integrante da Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil do CSJT/TST desde a sua primeira composição, no primeiro semestre de 2012, Andréa Nocchi fez um histórico das práticas da Justiça do Trabalho "nesse universo de graves violações". Embora o envolvimento social dos juízes não seja recente, ela disse que o envolvimento institucional da Justiça do Trabalho é muito novo. "O conjunto de boas práticas ainda tem um longo caminho a ser percorrido", acredita.

Ela informou que o marco do engajamento institucional foi a criação da comissão, em maio de 2012, com o objetivo de apresentar sugestões para uma participação efetiva nas ações de erradicação do trabalho infantil. A partir daí, a Justiça do Trabalho começou a atuar de forma mais consistente, em parceria com o Ministério Público, a Organização Internacional do Trabalho e outras instituições dos demais Poderes.

Houve, por exemplo, a realização do primeiro Seminário sobre o tema no TST e o ingresso do Tribunal no Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. "O TST foi o único representante do Judiciário convidado a compor a comissão organizadora da Terceira Conferência Global sobre o Trabalho Infantil realizada em Brasília em 2013", assinalou.

Engajamento

Para a juíza Stefane Machado, os "métodos clássicos" não bastam para combater o trabalho infantil, que necessita do engajamento total da sociedade. Citando a Constituição, ela afirmou que a proteção da criança é dever da família, da sociedade e do Estado. "Observamos às vezes crianças no sinaleiro pedindo dinheiro, e a sociedade sustentando aquele vício do crack, em vez de ligar para um conselho tutelar, o Ministério Público, a imprensa", afirmou.

Ela relatou uma série de iniciativas da Vara da Infância de Aparecida de Goiânia, em conjunto com os órgãos públicos, para o combate ao trabalho infantil, principalmente em casas noturnas e no tráfico de drogas. Citou, por exemplo, a remoção de famílias do lixão para uma vila de casas populares. "No lixão, eu vi realmente a dor do trabalho infantil", disse ela. "Vi crianças e adolescentes chegando numa carroça, trazendo lixo. O cheiro era tão forte, tão horrível, que realmente é a degradação do ser humano".

Confira no Flickr do TST a galeria de imagens do seminário.

(Augusto Fontenele/CF)

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br
Inscrição no Canal Youtube do TST

Média (0 Votos)



Conteúdo de Responsabilidade da SECOM  Secretaria de Comunicação Social

Email: secom@tst.jus.br

Telefone: (61) 3043-4907